SINDUSCON PARANÁ OESTE

Nova realidade do Brasil exige atividade sindical sustentável

 

O Sinduscon/Paraná-Oeste (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Paraná Oeste), por intermédio do Planejamento Estratégico de 2018, elegeu a sustentabilidade como principal referencial das ações dos sete comitês técnicos que mantém.

Por isso, na tarde da quinta-feira passada (25), sob a coordenação do vice-presidente do sindicato, Ricardo Lora, responsável pela Coordenação de Comitês do Sinduscon/Paraná-Oeste, os coordenadores de comitês discutiram as ações que serão desencadeadas ao longo do ano, bem como avaliaram as ações que foram desencadeadas durante 2017.

Segundo Ricardo Lora, foram 831 participações em 65 reuniões e 22 eventos – média de dois eventos por mês – realizados em 2017 pelos sete comitês: Ação Social e Cidadania, Indústria Imobiliária, Obras Públicas, Meio Ambiente,  Relações do Trabalho, Modernização Pública e Materiais, Tecnologia e Inovação. Ao todo, mais de 3,8 mil pessoas participaram dos eventos realizados ao longo dos 12 meses.

Em 2018, além das ações de praxe que povoam a rotina da instituição, o tema eleitoral estará em evidência. Por isso, os comitês terão um trabalho a mais: reunir reivindicações do setor para colocar na pauta dos programas eleitorais dos candidatos a cargos eletivos, bem como fomentar a discussão em torno delas. O ano também tem caráter simbólico todo especial: comemora-se os 25 anos de fundação do Sinduscon/Paraná-Oeste. A reunião contou com a presença dos coordenadores dos comitês, bem como o presidente do sindicato, João Luiz Broch.  

Segundo Ricardo Lora, o fim da contribuição sindical obrigatória estará servindo como uma espécie de peneira: somente as instituições sustentáveis conseguirão viabilizar-se financeiramente e terão espaço nas discussões que dizem respeito ao futuro do Brasil.