Para CBIC, queda da construção puxa o PIB para baixo

“A queda de 2% na construção, certamente, é a maior responsável pela queda do PIB geral e do emprego”, avalia o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins. “É urgente a votação da reforma da Previdência para que o investimento volte. Só o setor da construção pode alavancar o investimento e será o grande motor do crescimento sustentado do país”, acrescenta, comentando o resultado do PIB divulgado há pouco pelo IBGE. Para o presidente da CBIC, esse cenário exige cuidado extra na destinação de recursos para o setor. “Liberar o FGTS para o consumo seria um grande equívoco. Se o setor da construção está puxando o PIB pra baixo, como está, não teria lógica retirar dinheiro do Fundo para o consumo ou aplicações financeiras”, alertou.
Segundo o levantamento, a economia brasileira encolheu 0,2% no primeiro trimestre. Se 2019 terminasse em março, o setor da construção teria encolhido 2%. São 19 trimestres consecutivos de queda na base anualizada (acumulada em 4 trimestres). Grande gerador de emprego e renda, a indústria da construção vive longo período de retração e já perdeu mais de um milhão de trabalhadores.